Drag Racing 1/4 Mile times 0-60 Dyno Fast Cars Muscle Cars

FORD MAVERICK - PROPAGANDA ANTIGA

Aprenda a nunca ser enganado por nenhum vendedor de carro.Veja aqui o livro "O Segredo dos Carros" http://goo.gl/MsEjE Comercial antigo do clássico Ford Maverick.


 


More Videos...


Comercial Ford Corcel - A Corrida (1970)





Duelo de Mavericks
Dois Mavericks especiais se enfrentam num teste drive





OMEGA CD ABSOLUTO - COMERCIAL 1992
CHEVROLET OMEGA CD - COMERCIAL 1992 - PROPAGANDA SIMPLESMENTE ABSOLUTO





▶ A evolução da Rural Willys
A evolução da Rural Willys no Brasil, de 1956 à 1977. Comentem... A Rural Willys é um utilitário que foi produzido pela Willys Overland nas décadas de 1950, 1960 e 1970 no Brasil. Na década de 1970, passou a ser produzida pela Ford do Brasil, que comprou a fábrica da Willys em 1967, mantendo inalterados o nome Rural e praticamente todas as características do veículo. Foi lançado nos Estados Unidos em 1946 com o nome de Jeep Station Wagon, tendo sido o primeiro veículo do tipo com a carroceria toda em metal, em contrapartida às carrocerias de madeira, então comuns. Com pequenas diferenças, foi produzido também em outros países como o Japão, onde foi fabricado pela Mitsubishi, com o nome J37 e a Argentina, onde foi fabricado pela Kaiser e é conhecido como Estanciera. O modelo brasileiro foi redesenhado em 1958 utilizando como inspiração a arquitetura moderna de Brasília, em construção na época. Este desenho acompanhou a Rural até o encerramento de sua produção em 1977. No Brasil foram produzidas versões com tração 4X4 e 4X2, com motores a gasolina de seis cilindros em linha e cilindrada de 2.6 ou 3.0 litros (opcional). O motor de 2.6 litros, ou 161 polegadas cúbicas, foi o primeiro motor a gasolina fabricado no Brasil e também equipava outros veículos da fábrica Willys, como o Jeep e o Aero. O motor 3.0, utilizando o mesmo bloco, equipava o Itamaraty. A partir do segundo semestre de 1975, até o final da produção, em 1977, a Rural foi fabricada com motor Ford, denominado OHC, de quatro cilindros e 2.3 litros de cilindrada. Em todas as versões, tinha potência aproximada de 90 hp (cavalos-vapor), adequada à época e características do veículo. A Rural Willys pode ser considerada "pai" dos atuais utilitários esportivos existentes, pois era um um veículo com espaço para a família, mas robusto e com vocações off-road Em 1961 entrou em linha a versão picape da Rural, chamada de Pick-Up Willys ou Pick up Jeep e, posteriormente, F-75. A versão militar, amplamente utilizada pelas Forças Armadas do Brasil, denominava-se F-85. Na Argentina, este modelo foi conhecido como Baqueano. Tal como o Jeep, a F-75 manteve-se em produção pela Ford do Brasil até 1981.





Ford Maverick 1974 (Anuncio) José Carlos Pace
(Acesse www.carroantigoapucarana.com.br) Propaganda veiculada na televisão brasileira na década de 70. O motorista é o piloto, já falecido José Carlos Pace, o Moco. Mais a respeito no site: http://www.obvio.ind.br/Jose%20Carlos%20Pace%20-%20o%20Moco.htm





Ford Del Rey 86: Comercial Antigo Anos 80
Comercial da linha 1986 do Ford Del Rey no Brasil. Comercial antigo Comerciais Antigos Propaganda antiga Propagandas Antigas TV Brasileira Anos 60 Anos 70 Anos 80 anuncio campanha publicitária de lançamento carro carros automóvel automóveis Brasil Brazil Vintage Car Commercial Ad Advertise Advertisement Classic TV Spot Pubblitità Publicidad Recklam Ford Del Rey e Del Rey Scala Escort 1985 xr3 conversível Corcel Verona Fiat Uno Premio Elba Oggi 147 Panorama Tempra GM Chevrolet Monza Hatch Kadett Chevette VW Volkswagen Passat Santana Voyate Gol Parati





Comercial Chevette - Um carrão pelo preço de um carro comum
Comercial do Chevette, provavelmente veiculado em 1977 ou 1978, destacando as vantagens do carro, que fazia 14 km por litro, andava e freava bem. Gravado em 25 de março de 2005 do programa Alta Rotação, então exibido pela Santa Cecília TV.





Comercial Corcel - 1970
A Ford fez uma série de comerciais do Corcel (assim como da Belina) ao estilo cinema mudo. Neste, o mocinho salva a mocinha, que corria perigo de ser morta em uma serraria. O curioso é que não sei até hoje se este filme foi produzido aqui ou nos Estados Unidos, pois existem outros da série em que outro locutor pronuncia o slogan em inglês (em vez de Ford Corcel, o carro jovem, como aqui, ele diz Ford Corcel, the young car) e o título do "episódio" aparece em português e em inglês. Imagens extraídas da histórica série 40 Anos de TV, levada ao ar pela TV Cultura em 1990, O programa falou sobre a publicidade na televisão. Imagens conseguidas junto a um amigo.





Volkswagen Brasília - Comercial antigo do ano de 1978
http://saiudelinha.com.br - Volkswagen Brasília - Comercial antigo do ano de 1978. Visite: http://saiudelinha.com.br





Chevrolet Monza 87: Comercial Antigo (Brasil)
Comercial antigo da linha 1987 do Chevrolet Monza no Brasil, apresentando a versão 2.0. Comercial antigo Comerciais Antigos Propaganda antiga Propagandas Antigas TV Brasileira Anos 60 Anos 70 Anos 80 anuncio campanha publicitária de lançamento carro carros automóvel automóveis Brasil Brazil Vintage Car Commercial Ad Advertise Advertisement Classic TV Spot Pubblitità Publicidad Recklam Chevrolet Monza Hatch Kadett Chevette Opala Caravan VW Volkswagen Passat Santana Voyate Gol Parati Savero Apollo Ford Versailles Del Rey e Del Rey Scala Landau Escort xr3 conversível Corcel Verona Fiat Uno Premio Elba Oggi Panorama Tempra GM





VW Brasília 1973: Comercial antigo de lançamento (Volkswagen)
Comercial de lançamento no Brasil do Volkswagen 1600 Brasília em 1973. ====== HISTÓRIA: Volkswagen Brasília ====== A Brasília chegou em 1973, com o mesmo esquema mecânico do Fusca: motor 1.6 traseiro refrigerado a ar, com carburador simples (a dupla carburação era opcional). A mecânica confiável e o desenho (uma versão mais curta e moderna da Variant) caíram no gosto do público. Foi produzida até 1982 e passou sua vida sem grandes mudanças. As maiores ocorreram em 1978 (novas lanternas, capô e pára-choques com ponteiras plásticas), 1979 (versão quatro portas e surgimento da versão top LS, com vidros verdes, molduras de farol e rodas na cor grafite e bancos com encosto alto) e em 1980 (novo painel de instrumentos). Teve versão a álcool, lançada em 1981, mas equipada com motor de 1,3 litro. Deixou de ser produzida após pouco mais de 1 milhão de unidades ganharem as ruas. ______________________________________ Comercial comarciais antigos classica vintage commercial proganda propagandas antigas de carro anos 70 80 90 da tv brasileira tv advert ad advertise spot publicidad publicità recklam Chevrolet Opala Chevette Caravan Chevette Monza Ford Corcel Del Rey Fiat 147 Oggi Panorama VW Fusca Passat Santana Gol Voyage TL Brasilia 1600 zé do caixão VW Volkswagen Fusca 1600 Brasilia Variant comercial antigo propaganda antiga vintage commercial Volks Beetle Scarbajo Fiat 147





Comercial VW Passat 1984 - Partida a frio instantânea
Comercial do Volkswagen Passat brasileiro, de 1984, com a nova partida a frio instantânea.





Comercial de lançamento do Fiat 147 - Brasil ( 1976 ) : Escadaria da Penha
Comercial de lançamento do Fiat 147 País: Brasil Ano: 1976 Descrição: Fiat 147 subindo a Escadaria da Igreja da Penha, no Rio de Janeiro.





Comercial de lançamento do Fiat 147 - Brasil ( 1976 ) : Freios
Comercial de lançamento do Fiat 147 País: Brasil Ano: 1976





Fiat 147: Comercial antigo de lançamento 1976 - Brasil
Um dos comerciais de lançamento do Fiat 147 no Brasil em 1976, primeiro modelo da montadora italiana produzido no país. Por ser uma montadora recém chegada, a FIAT investiu em várias propagandas com diferentes abordagens. Nesta aqui é enfatizado o sistema de freios do veículo. =========== HISTÓRIA - FIAT 147 =========== Lançado em novembro de 1976, ele marcou a estréia da Fiat no Brasil. Na versão L -- originada do Fiat 127 italiano -, o 147 apresentava várias características modernas para a época, como pneus radiais de séries calçados em rodas de aro 13, suspensão independente nas quatro rodas, grande espaço interno e diminutas dimensões externas (apenas 3,63 metros). O motor, de 1049 cm3, com 57 cavalos, transversal (outra novidade), tinha comando de válvulas no cabeçote (que por sinal era de alumínio) acionado por correia dentada, e seu principal apelo era a economia de combustível. A Fiat fez uma propaganda interessante, na qual o carro percorria a ponte Rio-Niterói (cerca de 14 quilômetros de comprimento) com apenas 1 litro de gasolina -- que se encontrava numa bureta ligada diretamente ao motor. E, segundo o comercial, ainda sobrou combustível no recipiente utilizado. Para provar que o carro era resistente, característica inegável do seu mais forte concorrente, o Fusca, a montadora promoveu um outro teste no mínimo curioso: subiu e desceu os 365 degraus da escadaria da Igreja da Penha, no Rio de Janeiro. Pelo menos na propaganda divulgada pela televisão, as suspensões se saíram muito bem. Mas nas mãos dos consumidores as coisas estavam um pouco diferentes... O 147 não teve um começo fácil e não foram poucos os percalços por que ele passou. Defeitos no câmbio e problemas de acabamento e durabilidade deixaram muitos consumidores desapontados. De qualquer forma, logo em 1978 saiu a série especial GL Vogue, o 147 básico, o GL normal de linha e a Furgoneta (com vidros traseiros inexistentes e sem os bancos de trás, uma inovação no Brasil). Em 1979 é a vez da picape (outra novidade), derivada da versão hatch, do 147 Rallye, com motor 1300 e acabamento esportivo, do 147 a álcool (o primeiro movido a esse combustível no Brasil, certamente o primeiro veiculo de serie no mundo a álcool) e o top de linha GLS. No ano seguinte chega a frente Europa, bem mais moderna, com pára-choques de plástico. A versão básica permanece com a mesma linha original do 147. Nesse mesmo ano é lançada a Panorama, versão station wagon da linha, e a Fiorino, versão de carga com baú, outra novidade. A picape longa viria em 1981 e a City, em 1982 Para 1982, alias, a empresa muda o nome das versões, com o surgimento do básico C (no lugar do L), do intermediário CL (antigo GL) e do 147 Top (antigo GLS). Este apresentava painel de instrumentos concebido pelo designer Bertone. O Rallye passa a ser chamado de Racing. Havia uma exceção: o GL 500.000, uma série especial que foi fabricada entre junho de 1981 e janeiro de 1982. Em 1983 é lançado o Fiat Spazio, uma derivação do 147, e com ele vem o Oggi CS (fabricado a partir de março de 1983), a versão três volumes e duas portas do Spazio. Nesse mesmo ano-modelo o Rallye passa a se chamar Spazio TR e o Top vira CLS. O básico continua com a frente Europa até 1984 e em 1985 passa a ter a mesma parte dianteira do Spazio. Com o lançamento do Uno, em 1984, o Spazio sai de linha, mas o C, básico, continuou em produção até fevereiro de 1987. ======================================= Comercial Propaganda campanha publicitária antigo Comerciais antigos propagandas antigas TV Spot commercial ad advert advertise publicidad publicità Comerciais antigos da TV Brasileira Fiat 174 Panorama Oggi Uno Premio Elba Ford Del Rey GM Chevrolet Chevette Monza VW Fusca Brasilia Passat Variant TL vintage commercial classic adv advertise 127 Topolino Fiat 500 600 cinquecento Chrysler Group Fiat PT Cruiser fuel 500 Alfa Romeo





Which car is faster? Which Car is Faster?




Similar 1/4 mile timeslips to browse:

1970 Ford Maverick : 9.783 @ 135.540
Graham Allen, Engine: 355 SBC, Supercharger: No Turbos: No Tires: Hoosier


1970 Ford Maverick : 10.265 @ 128.130
Matthew Bong, Engine: 363, Tires: M/T 31-13 -15


1972 Ford Maverick : 10.320 @ 130.000
Bill Muchow/Steve Pyburn, Engine: 351 w / 408 cubes, Tires: 29.5 x 9 M/T


1970 Ford Maverick 2 door: 10.450 @ 128.000
John Ford, Engine: 347 (13.5 to 1) roller motor, Tires: Moroso D2S (front) MT E/T drags


1971 Ford Maverick 351: 10.772 @ 127.100
Robert, Engine: 351 to 429,


1971 Ford Maverick : 10.920 @ 120.010
mike robinson, Engine: 300, Turbos: to4b Tires: mt drag radial


1970 Ford Maverick : 11.006 @ 118.000
Steve Huff, Engine: 302, Tires: MT 28.5 X 15 rear


1970 Ford Maverick : 11.670 @ 116.450
Justin Minzenmayer, Engine: 302, Tires: 28x12.50 MT


1970 Ford Maverick : 11.750 @ 113.000
Dustin Thacker, Engine: 347, Supercharger: no Turbos: no Tires: E/T Drag 28x9x15


1972 Ford Maverick : 12.310 @ 108.000
Tyler Shallenburger, Engine: 302, Supercharger: n/a Turbos: n/a Tires: sportsman fronts et street rear


1970 Ford Maverick Grabber: 12.650 @ 108.000
Lance Theaderman, Engine: 5.0L, Tires: M/T Drag Radials


1977 Ford Maverick : 13.345 @ 103.570
Matt Williams, Engine: 5.0 roller block, Tires: 26x10 MT ET Drag


1971 Ford Maverick : 14.028 @ 95.560
Alan Gant, Engine: 302 sbf, Supercharger: no Turbos: no Tires: M/T ET Street Radials


1971 Ford Maverick Grabber: 20.050 @ 68.300
Bob Beck, Engine: 250 six cyl, Supercharger: None Turbos: None Tires: T/A Radials


 


©2014 DragTimes - Disclaimer